primeiros princípios elon musk havewematt matheus silveira blog

Partindo dos primeiros princípios

Caso você não saiba, existe esse blog genial chamado Wait But Why, e, entre tantos posts interessantes, o autor Tim Urban escreveu uma série de posts sobre Elon Musk. No último deles, Urban explicou o modo de pensar de Musk: ele pensa a partir de primeiros princípios. Ou seja, ele é o oposto da pessoa do último post que fica brincando de casinha (pensando por analogia).

Urban descreve o processo de Elon Musk da seguinte maneira: Musk é, ao mesmo tempo, alguém que conhece muito bem o que é possível (física e tecnologicamente) no mundo real e alguém que conhece muito bem a si mesmo, suas vontades e suas capacidades. A interseção entre as coisas que ele quer que aconteçam e as coisas que ele considera possíveis forma o conjunto de seus objetivos potenciais, dentre os quais ele escolhe aquele ao qual se dedicará em um dado momento do tempo.

Determinado esse objetivo, Musk constrói uma estratégia e a coloca em ação. Os resultados obtidos fornecem feedback e novas informações, que Musk pode usar para ajustar sua estratégia, a fim de continuar tentando alcançar sua meta.

Pensar a partir de primeiros princípios pode levar uma pessoa a concluir que tem de fazer coisas radicalmente diferentes das que foram feitas no passado. Ou das que são feitas pelas pessoas à sua volta.

Exemplo: vamos dizer que um estudante refletiu por muito tempo e concluiu que quer estar envolvido na produção/gravação de filmes. Porém, essa pessoa tem uma compreensão limitada do que é possível fazer no mundo real.

 

Hipster Estudante de visão limitada usa a seguinte desculpa… elon musk havewematt Pessoa com melhor compreensão do mundo real pensa…
É necessário equipamento caro, de última geração Todos têm câmeras muito melhores no celular (onde você está lendo este post) do que muitos diretores tinham quando gravaram clássicos do cinema
Eu não conheço ninguém no setor É possível alcançar o público consumidor diretamente através de plataformas online
É preciso fazer curso universitário de cinema Pode ser melhor gastar os quatro anos de curso testando seus filmes diretamente com o público, e não com colegas e professores, cujo feedback pode vir a ser mais um jeito de limitar a criatividade do aluno

Esse estudante está se baseando em dogmas ultrapassados, provavelmente porque ouviu outra pessoa em vez de tentar partir de primeiros princípios.

 

Pensar assim me garante sucesso?

Nada garante que, mesmo pensando a partir de primeiros princípios, você ou Musk vão chegar aonde quiserem. O resultado é algo que você não controla. Por isso, você não deve jogar pelo resultado. Você deve jogar pelo feedback. Quando você joga pelo feedback, toda vez que obtiver feedback, você ganha. Com esse feedback, você, assim como Musk, ajusta sua estratégia, na esperança (e nunca garantia) de um dia chegar ao resultado de seus sonhos.

 

Ser vulnerável não quer dizer vencer nem perder; é apenas ter a coragem de estar presente e ser visto quando não se tem controle algum sobre o resultado.
brene brown havewematt Brené Brown, Rising Strong

 

Esse feedback pode vir na forma de críticas. Essas críticas também devem passar pelo filtro dos primeiros princípios. Essa pessoa que me critica tem a mesma compreensão que eu tenho do que é possível? Ela entende meus objetivos e como eu concluí que esta é a melhor estratégia para alcançá-los? Se ela não entende, ela não passa nesse filtro, e as críticas dela podem ser descartadas. Caso a pessoa passe por esse filtro (geralmente quando uma pessoa é mais experiente e já passou pela mesma arena que você), sua crítica pode ser útil.

 

Palavras sábias de #DaleCarnegie

A post shared by HWM Dicas (@hwmdicas) on

 

Os inovadores que admiramos são aquelas pessoas que ignoram o dogma existente e pensam a partir de primeiros princípios. Eles não estavam se inspirando no modo de agir dos inovadores que vieram antes deles ao fazer o que fizeram. É essencial se questionar frequentemente para fazer algo diferente do comum. Devemos sempre verificar se algum de nossos pressupostos não está baseado em medo ou em pressão do grupo em que vivemos.

A maioria das pessoas não se questiona, e, por isso, sua visão sobre o que é possível no mundo é muito limitada. Por isso, esses inovadores que achamos que fizeram algo impossível muitas vezes são só pessoas que fizeram algo que eles viam como possível, mas que estava fora do que nós achávamos possível na nossa realidade. Urban destaca que, nós achamos que eles eram vanguardistas, quando, na verdade, eles só tinham uma visão mais clara do presente. Ou nós achávamos que eles estavam fazendo algo corajoso, quando, na verdade, eles só compreendiam melhor os riscos.